Virtualização ou cloud computing: existe mesmo uma diferença? Postado por: AMTI - 03/03/17


Duas tecnologias muito usadas atualmente são a virtualização e a computação em nuvem (ou cloud computing). E há muita confusão entre elas e em como cada uma delas se encaixa no cotidiano das empresas. Embora sejam diferentes, elas se completam e, muitas vezes, são usadas em conjunto.

Ambas são altamente relevantes para o mercado de tecnologia da informação (TI), pois ajudam a reduzir custos, atender às necessidades da empresa e aumentar a eficiência operacional da área de TI. Juntas, ajudam a impulsionar os negócios e colocar as empresas na era digital.

Afinal, qual é a melhor para a sua empresa: virtualização ou cloud computing? A seguir, vamos ajudá-lo a entender melhor quais são as diferenças entre elas e como elas se relacionam.

Virtualização

O termo virtualização surgiu muito antes da cloud computing. Antes da virtualização, era preciso investir constantemente em servidores para não colocar os negócios da empresa em risco. O que ela faz, basicamente, é simular infraestruturas virtuais (que podem ser compartilhadas) a partir de uma estrutura real. Assim, abstrai-se a camada física e, em seu lugar, criam-se várias camadas lógicas.

É, portanto, um produto para otimização e compartilhamento de recursos de TI que ajuda as empresas a definirem o uso de equipamento de acordo com as demandas do negócio. Embora seja uma técnica popular em ambientes de servidores, pode ser adotada para computadores, sistemas operacionais, dispositivos de armazenamento, aplicativos e redes.

Em 1960, a virtualização já estava a todo vapor na criação de maiores quantidades de servidores lógicos (a partir de menos máquinas físicas) para reduzir custos com os servidores em si e com a infraestrutura de hospedagem, bem como para facilitar a administração do sistema.

Um exemplo bem comum de virtualização são as partições criadas em discos rígidos para dividi-los em diferentes "ambientes". Ou seja, é uma tecnologia que permite executar vários sistemas operacionais e aplicações simultaneamente em uma mesma máquina.

Cloud computing

A computação em nuvem, por sua vez, é um conceito que permite que qualquer um de nós tenha acesso a documentos (corporativos ou não) de qualquer lugar do planeta. É um modelo para acesso à rede sob demanda, que permite compartilhamento seguro de informações e recursos computacionais.

Em outras palavras, é uma forma de entregar soluções de TI pela internet, usando o modelo de serviços em redes compartilhadas ou privadas. Assim, tem-se tudo armazenado em outro lugar — que, muitas vezes, não sabemos onde fica — e totalmente acessível pela internet.

Basicamente, é possível colocar todo o ambiente de TI da empresa disponível na internet. O uso da computação em nuvem retira o pessoal do departamento de TI das ações cotidianas (como manutenções constantes) e o torna mais participativo em decisões e estratégias.

Para que exista, a computação em nuvem depende da virtualização. Quanto mais virtualizado o ambiente, melhores serão os resultados da computação em nuvem. A cloud computing resulta da manipulação do hardware por um software específico, e tem a virtualização como parte fundamental do processo.

Entre os exemplos do cotidiano, é possível citar o GoogleDrive (que tem versões doméstica e corporativa), que permite ter documentos dos mais variados tipos disponíveis para acesso na internet. Quando se tira uma foto com o celular, por exemplo, ela pode ser automaticamente armazenada na nuvem GoogleDrive.

Como elas interagem

A interação entre virtualização e computação em nuvem ocorre, principalmente, porque a implantação de cloud computing depende da virtualização. Os serviços de computação em nuvem são totalmente dependentes da virtualização para terem acesso à soluções de softwares e hardwares.

Enquanto a virtualização existe tranquilamente sem a computação em nuvem (por exemplo, quando a empresa tem data centers internos que não são acessados externamente), a computação em nuvem necessita da virtualização, pois as tecnologias de cloud têm a virtualização como base.

Os provedores de cloud computing se apoiam na virtualização para maximizar sua infraestrutura de serviços e melhorar o gerenciamento de seus data centers, reduzindo custos como os de manutenção e de energia elétrica, entre outros.

Tanto a virtualização quanto a computação em nuvem trazem ganhos para a TI da empresa, pois otimizam e facilitam o gerenciamento e a disponibilidade de dados.

Vantagens

Virtualização

Até pouco tempo, os departamentos de TI usavam servidores dedicados para executar determinado sistema operacional e, um por um, os aplicativos. Algumas máquinas tinham picos de processamento em determinados momentos do mês e ficavam ociosas nos demais dias — uma arquitetura altamente ineficiente.

Hoje, é seguro inferir que empresas de médio e grande porte têm alguma solução de virtualização, mesmo que seja algo pequeno e pouco performático. Em geral, essas soluções trazem grandes ganhos para a empresa, tanto em economia quanto em performance. Além disso, a virtualização permite:

  • Maximizar recursos: por meio da redução de investimentos em novos equipamentos, do corte de custos com manutenção e da diminuição da necessidade de espaço para hospedagem de infraestrutura. Assim, é possível consolidar os servidores (o que diminui custos de operação e facilita o upgrade) e reduzir o consumo de energia, o espaço físico e o de armazenamento de dados.
  • Usar múltiplos sistemas: num único computador, podem-se executar sistemas operacionais e aplicações diversos. Além disso, a alta disponibilidade fica garantida.
  • Integrar ambientes: a integração de ambientes facilita o disaster recovery, reduz a necessidade de manutenção e aumenta o nível de segurança e desempenho do sistema.

Cloud computing

Em um mundo povoado por smartphones e tablets, os escritórios estão cada vez mais móveis. A maioria das atividades corporativas já pode ser feita em qualquer lugar usando os mais variados dispositivos e tendo acesso a qualquer aplicação.

A cloud computing permite às empresas contratar soluções de TI pelo modelo de serviços. Ou seja, o acesso é pela internet e não há necessidade de comprar servidores ou aplicativos. Um data center inteiro pode ser operado na nuvem, o que reduz os gastos com infraestrutura.

Com a adoção desse modelo, a economia no custo total de propriedade pode variar de 10% a 40%, graças à diminuição de gastos com ativos, servidores, licenças de softwares e energia. E mais: a infraestrutura de TI pode ser reduzida ou ampliada de acordo com a necessidade.

Podem-se usar redes privadas, híbridas ou públicas. Em uma rede privada, a nuvem tem limitação na quantidade de usuários e, em uma pública, requer mais atenção à segurança. A escolha depende da estratégia de negócios da empresa.

Gostou de saber como a virtualização e a cloud computing influenciam as estratégias das empresas atualmente? Para conhecer soluções completas, entre em contato conosco. Estamos à disposição para ajudá-lo!



Comentários