Por que todo setor de TI precisa saber o que é MVP? Postado por: AMTI - 30/05/17


Empreender é uma atividade de risco. Essa é uma tarefa que envolve altos investimentos, esforço de várias pessoas e, ainda, uma boa dose de audácia e coragem do empreendedor, já que ele nunca saberá com antecedência o grau de aceitação que o produto ou serviço alcançará no mercado.

Na área da tecnologia da informação isso não seria diferente: lançar um produto ou oferecer um serviço inédito não é nada fácil. Por isso, a disponibilização ou o lançamento de um item não pode ser feito de forma amadora ou despreparada. Afinal, o insucesso da empreitada prejudica a imagem do negócio e causa prejuízos financeiros consideráveis.

Assim, é essencial que a empresa possua instrumentos e adote estratégias capazes de minimizar os riscos inerentes à oferta de novos produtos ou serviços no mercado. Uma dessas estratégias é o chamado MVP ou, em português, Produto Minimamente Viável.

No post de hoje vamos falar sobre o que é MVP e como ele é essencial para subsidiar a tomada de decisão sobre os produtos e serviços disponibilizados ao mercado consumidor, principalmente em empresas de TI. Boa leitura!

O que é MVP?

MVP (Minimum Viable Product) é uma sigla que, traduzida para o nosso idioma, significa “produto minimamente viável”. A sua utilização está atrelada aos objetivos essenciais de qualquer empresa: atingir uma maior margem de lucro gastando o mínimo de recursos.

Essa ferramenta propicia o desenvolvimento de estratégias que permitam à empresa agir de forma específica e pontual no lançamento de seus produtos e serviços, evitando o desperdício de valiosos recursos organizacionais, principalmente tempo e dinheiro.

O produto minimamente viável pode ser conceituado como o conjunto de testes iniciais realizados com o objetivo de averiguar o grau de sucesso ou a viabilidade do lançamento de um produto ou serviço.

Com isso, a empresa disponibiliza no mercado uma espécie de protótipo do produto final que deseja comercializar, avaliando o seu grau de aceitação, de utilidade e de perfeição em relação aos principais desejos e necessidades dos seus consumidores. O MVP é, desse modo, uma forma segura e eficaz de validação de ideias.

Nas empresas especializadas em tecnologia da informação, por exemplo, é incogitável passar muito tempo para desenvolver uma nova ideia ou projeto. A demora pode ocasionar grandes perdas financeiras, ou até mesmo fazer com que a organização sofra com a obsolescência de seu produto.

Quais são os tipos de MVP?

O lançamento do protótipo de um produto ou serviço pode ser feito utilizando diferentes graus de sofisticação e fidedignidade com o produto final. Por isso, fala-se em MVP de alta fidelidade e MVP de baixa fidelidade — cada um deles tem várias espécies. Veja quais são elas:

MVP de alta fidelidade

Como o nome já induz, nessa espécie de MVP o protótipo se assemelha muito com o produto final que a empresa deseja lançar. São exemplos de MVP de alta fidelidade ou fidedignidade os Concierge, Piecemeal, e MVP de Função Única. Saiba mais:

Concierge

Consiste em realizar manualmente o que o software realizará de maneira automática. É uma forma rudimentar e um pouco precária de realização das atividades que serão desenvolvidas pelo produto final. Visa, basicamente, à apuração das impressões dos consumidores sobre o novo produto ou serviço que está sendo oferecido.

Piecemeal

Essa técnica é bastante parecida com a Concierge. Ambas são estratégias mais rudimentares e pouco elaboradas, realizadas de maneira mecânica, manual. A principal diferença é que na Piecemeal são disponibilizadas ferramentas próprias do novo produto, para serem testadas pelo consumidor.

Em todo caso, apenas ferramentas mais simples e menos sofisticadas são disponibilizadas. A ideia aqui é a mesma do concierge (testar a aceitabilidade do produto ou serviço, a ideia).

MVP de Função Única

Busca disponibilizar para ser testada a funcionalidade mais importante do novo produto ou serviço que a empresa oferecerá ao mercado, averiguando a sua eficiência para resolver os problemas do seus potenciais consumidores.

MVP de Baixa Fidelidade

Como MVP de baixa fidelidade podemos citar as landing pages e os vídeos explicativos. Como já é presumível, a baixa fidelidade se refere ao maior distanciamento entre o protótipo e o produto final que se busca produzir.

Landing Page

Landing pages são páginas que mensuram o tráfego de determinados usuários. Por meio delas é possível verificar o interesse dos usuários pela nova ideia ou produto.

Nelas são expressas informações sobre as funcionalidades do produto, mas não se disponibiliza as suas ferramentas. O objetivo principal é avaliar o interesse dos consumidores pela ideia e pela novidade.

Vídeos explicativos

Nessa modalidade apresenta-se o produto ao mercado por meio de um vídeo explicativo de suas principais características e funcionalidades. Assim como o grau de fidelidade, o aproveitamento e o processamento do resultado da operação também é baixo.

Por isso, esse não é um dos referenciais mais seguros para a realização de altos investimentos com o lançamento de produtos ou serviços.

Na verdade, o objetivo dos vídeos explicativos é mais apresentar o novo produto do que propriamente medir a viabilidade dele. No entanto, isso não deixa de ser feito por meio da quantidade de visualizações e das críticas, por exemplo.

Quais são as principais vantagens do uso do MVP?

Economia de recursos

Como é lançado um protótipo do produto final, ou seja, uma versão bem mais simplificada do que a empresa pretende produzir, há uma considerável economia de recursos. Primeiro porque o produto já se torna conhecido dos potenciais clientes com um gasto menor de recursos.

Em segundo lugar, caso se a ideia não vingue — ou caso sejam necessários muitos ajustes —, o grau de investimento do empreendedor também terá sido mais baixo, minorando os prejuízos.

Identificação de oportunidades e validação de hipóteses

Por meio do MVP a empresa pode aferir se a sua ideia realmente vai resolver os problemas dos seus early adopters, e, mesmo em caso negativo, poderão ser vislumbradas novas oportunidades de geração de utilidade para o novo produto. No pior dos casos, a empresa ganha experiência para o desenvolvimento de novas ideias.

Aprimoramento da inteligência de mercado

Por meio da disponibilização de MVP é possível mensurar as principais demandas dos consumidores e sair na frente da concorrência.

Por que todo setor de TI precisa saber o que é MVP?

O conhecimento sobre MVP pelos setores de TI permitirá que eles realizem seus processos internos de forma muito mais rápida e eficaz, além de minimizar os riscos próprios do cenário de instabilidade em que estão inseridos.

A área de tecnologia, como um todo, necessita de agilidade em seus processos, uma vez que a dinamicidade de suas funções e a agilidade com que são lançadas novas ideias e produtos no mercado exige respostas e atuações igualmente ágeis e eficazes.

Por isso, não se pode negligenciar esse segmento, uma vez que a infraestrutura da área de TI impacta diretamente no crescimento e no desenvolvimento do negócio.

E então? Gostou do nosso artigo sobre o que é MVP e a sua importância para o setor de TI da empresa? Assine a nossa newsletter e receba periodicamente conteúdos como este para ampliar os seus conhecimentos e enriquecer ainda mais o seu negócio!



Comentários